Militar aposentado dos EUA assegura que existe prisão secreta para alienígenas

O ex-engenheiro da Força Aérea dos EUA Raymond Szymanski apresentou um livro chamado “50 Shades of Greys” em que assegura que na base aérea de Wright-Patterson (WPAFB), localizada na cidade de Dayton, no estado de Ohio, EUA, existe uma prisão onde se encontram vários alienígenas “mortos e vivos”.

Edição e imagens:  [email protected]

Prisão de extraterrestres, capturados vivos ou mortos, engenheiro aposentado da Força Aérea Raymond Szymanski, que trabalhou na base de Ohio por 39 anos, faz as revelações em seu livro  Fifty Shades of Greys: Evidence of Extraterrestrial Visitation to Wright-Patterson Air Force Base and Beyond

Fonte: https://br.sputniknews.com/

De acordo com o engenheiro e militar aposentado, citado pelo jornal britânico The Sun, foi o seu mentor, chamado Al, com quem trabalhou na base, que lhe revelou esse segredo.

“Ele me perguntou: ‘Já ouviu falar sobre nossos alienígenas?’”. Quando lhe perguntei como ele chegou a conhecer esse segredo, ele me respondeu que ‘toda a gente que trabalha aqui sabe’”.

A Base da Força Aérea de Wright-Patterson em Dayton, Ohio (foto) abriga um vasto conjunto de abóbadas cheias de extraterrestres vivos e mortos, de acordo com um ex-engenheiro

De acordo com Szymanski, foi para a prisão secreta da base WPAFB (Base da Força Aérea de Wright-Patterson em Dayton, Ohio) que transportaram uma nave alienígena que sofreu um acidente em 08 de julho de 1947 em Roswell, Novo México, assim como o corpo do alienígena morto no acidente.(Thoth: também para este local foi levado os corpos de extraterrestres e de outra espaçonave acidentada na região de Roswell, em Aztec, no Novo México)

O engenheiro afirma que a base conta com várias câmeras criogênicas e instalações com controle de temperatura, onde são armazenados artefatos alienígenas, além dos corpos de alienígenas encontrados nos locais dos acidentes.

Szymanski salientou que nunca chegou a ver com seus próprios olhos nem os alienígenas, nem as espaçonaves, no entanto, afirma que observou na base dois homens vestidos com casacos e chapéus pretos no verão. De acordo com a opinião do engenheiro, eram agentes de uma agência governamental altamente secreta (MIB-Men In Black) encarregados de roubar as provas.

Espaçonave e corpo de extraterrestre resgatados no incidente em Roswell

Ele apontou que mencionou o tema em diversas ocasiões, mas ninguém lhe disse: aqui não existem alienígenas, você está louco. “Vi muitos sorrisos, mas nem uma negação”, contou ele.

O caso Roswell é considerado como o nascimento da ufologia moderna e deu lugar a numerosos debates, teorias e especulações sobre a existência de vida extraterrestre, que muitos consideram ser totalmente infundadas. O fenômeno teve um grande impacto na cultura popular e é mencionado em numerosas obras de ficção, assim como em documentários.


{Excerto do post: Um Testemunho do Povo Pele Vermelha

M.H. – O seu avô, durante uma visão em 1947, teve um estranho encontro que mudou a sua vida…

R.M. – Sim, em Agosto de 1947 (penso que foi em 13 de Agosto), um mês depois do incidente da queda de um OVNI nas cercarias de ROSWELLo meu avô se encontrou com cinco amigos seus para tentar ter uma visão. Trata-se de uma cerimônia indígena antiga, uma técnica para tratar de ver o próprio futuro, para estudar aquilo que nos reservam as estrelas. E durante este ritual viram uma enorme luz que se precipitou desde o céu e caiu na Terra.

Nós sempre acreditamos na existência dos homens das estrelas; nós sabemos quem eles são, falamos com eles, dançamos com eles, e portanto não há porque nos surpreendermos pelo fato de que o meu avô se interessasse por essa luz, desde o momento em que sabia que dentro daquela luz que caiu havia os homens das estrelas. O meu avô  e os seus amigos eram muito ingênuos e ignoravam todas as regras que haviam na reserva indígena.

Não sabiam que quando “uma estrela cai” há que se manter a uma certa distância, porque os soldados chegam de imediato ao local do acidente, e que estes não estão muito de acordo com os índios. De toda a forma, o meu avô e os seus amigos decidiram buscar a estrela caída, a qual parecia não estar muito longe do lugar onde eles se encontravam; e efetivamente, chegaram ao lugar do acidente antes que os soldados. Inspecionaram os restos do acidente e encontraram um sobrevivente. Decidiram levá-lo consigo e curá-lo. O ser recuperava a consciência de forma intermitente. Quando se encontrava consciente, dava-lhes algumas instruções.

Depois de alguns meses já se encontrava totalmente recomposto. Nesse período de tempo conseguiram conquistar a sua confiança e lhe chamaram “O Ancião das Estrelas”. Um dia ele pegou um pequeno cristal verde, que era redondo. Quando sustentava na sua mão, podia projetar imagens sobre a pedra. Através destas imagens o meu avô e os seus amigos conseguiram saber quem ele era, o que fazia aqui e donde vinha. Decidiram não falar do ocorrido com ninguém mais porque lhes preocupava a segurança deste ser.

Tinham medo que os curiosos chegassem para lhe fazer perguntas, e que os soldados o levassem. Para sua segurança decidiram calar-se. As histórias da sua pátria e da sua forma de viver eram fantásticas. Entre outras coisas, ele também lhes falou de guerras interestelares. O seu modo de vida era semelhante ao nosso, indígenas americanos. A nossa história de guerreiros era muito semelhante à deles, e por isso o meu avô e os seus amigos ficaram estupefatos, mas também o Ancião das estrelas se surpreendeu quando soube que aqueles povos primitivos conheciam técnicas semelhantes.

 Tempos depois, o Ancião das estrelas começou a contar a história da Terra e da humanidade tal como ele a conhecia. Algumas destas histórias o meu avô as transmitiu a mim, e por esse motivo estou aqui. Antes de que ele morresse, eu lhe prometi que contaria esta história, e este é o motivo pelo qual hoje estou aqui para dizer: “Olhai, os homens das estrelas estão aqui, eles existem e nós devemos escutar bem o que eles têm a nos dizer.” Fim de citação}

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *